PUB

Cultura

IPC e Fundação Amílcar Cabral socializam versão zero do Plano Estratégico de Educação Patrimonial

Em parceria com a Fundação Lelio e Lisli Basso da Itália, este encontro, segundo um comunicado a que a Inforpress teve acesso, visa partilhar a versão zero do documento, e recolher as contribuições das entidades públicas e da sociedade civil com responsabilidade em matéria de preservação e salvaguarda do património cultural cabo-verdiano.
O presidente do IPC, Jair Hamilton Fernandes, dissera, por altura da assinatura do protocolo de cooperação com a Fundação Amílcar Cabral para a elaboração deste plano, em Fevereiro, que este instrumento vai ser “útil” na criação de dinâmicas a nível de preservação patrimonial, junto das estruturas formais do ensino, dos não formais e, sobretudo, vai possibilitar uma melhor articulação entre as instituições do Estado e a sociedade civil.
“Sabemos que no currículo escolar temos a história de Cabo Verde, temos algumas referências ao património, mas não de uma forma sistematizada e este é o propósito do plano estratégico”, asseverou.
Este responsável dissera ainda que com o documento válido, numa segunda fase vão, através do Ministério da Educação, fazer com que a educação patrimonial, a educação para cidadania e ambiental conste dos currículos escolares em Cabo Verde.
A elaboração deste plano foi uma das recomendações saídas da I Conferência sobre “Educação Patrimonial em Cabo Verde”, organizada pelo IPC, em parceria com a Comissão Nacional da Unesco para Cabo Verde, em Dezembro de 2017.
Nessa ocasião, os integrantes aconselharam a criação de um documento orientador que permite ao professor implementar as actividades extra-curriculares, centradas no património cultural, mas também, no plano curricular, enquanto factor de promoção do conhecimento integral do património cultural local e nacional.
O PEEP é financiado pela União Europeia no contexto do programa temático para Organizações da Sociedade Civil e Autoridades Locais ‘’Preservação e melhoria do património social, cultural e ambiental como factor de diversificação e desenvolvimento do turismo sustentável e solidário em Cabo Verde’’.
Fonte: Inforpress

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top