PUB

Mundo

Timor-Leste: Milhares em marcha da paz pela unidade nacional antes da votação

Milhares de pessoas de vários pontos da capital timorense e de outras localidades do país participaram, esta quinta-feira, 10, +numa marcha da paz, em Díli (a Capital daquele país lusófono da Ásia), em defesa da unidade nacional e da tranquilidade, antes das Eleições Legislativas de sábado, 12, em Timor-Leste.

Sob o lema “marchemos juntos pela unidade nacional”, milhares de pessoas, a maioria com camisolas brancas, convergiram em vários pontos da capital e caminharam juntas até ao bairro de Lecidere, onde está o Paço Episcopal e a sede da Diocese.

Além do chefe de Estado, Francisco Guterres Lu-Olo, a marcha contou com a presença de representantes das oito forças políticas concorrentes às eleições de sábado, representantes de confissões religiosas, diplomatas e estudantes, entre outros.

Dirigindo-se a todos os “homens e mulheres de boa vontade e coração generoso”, que “amam a paz e a estabilidade” em Timor-Leste, Lu-Olo destacou a importância da mensagem de paz e tranquilidade da jornada desta quinta-feira, promovida pela Comissão Justiça e Paz da Diocese de Díli.

Falando aos presentes, o Presidente da República, Francisco Guterres Lu-Olo, saudou os líderes e militantes das forças políticas que “contribuíram para o bom andamento da campanha eleitoral”, relembrando que a paz em Timor-Leste foi conquistada com “grandes sacrifícios e muito sofrimento”.

Recordando que a Igreja teve um papel essencial nessa luta contra a ocupação indonésia, o Presidente da República relembrou que “a paz foi árdua de conquistar, mas é fácil de perder”.

Por isso, disse, é essencial para o desenvolvimento de Timor-Leste consolidar a paz, procurando que todos os dirigentes ou governantes trabalhem como “servidores da causa pública” para defender os direitos de todos.

A marcha marcou o primeiro dia do período de reflexão antes das eleições de sábado, com a tranquilidade a ser a tónica dominante na capital, excepto em locais onde se começaram a concentrar pessoas que vão regressar aos municípios onde estão recenseados para votar.

O porto de Díli foi um desses locais onde, desde quarta-feira, se têm aglomerado centenas de pessoas à espera de embarcar para a ilha de Ataúro ou o enclave de Oecusse.

O mesmo ocorre no terminal de Becora de onde partem muitas das “microletes” e “biscotas”, as carrinhas de menor ou maior dimensão, que constituem a principal rede de transporte pública em Timor-Leste.

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top