PUB

Mundo

Comunidade guineense residente em Cabo Verde teme que situação se agrave para crise militar

Os guineenses residentes em Cabo Verde realizaram hoje uma vigília para pedir ao Presidente do seu país que aceite a “vontade do povo”, porque dizem temer que a crise política se agrave para uma crise militar.
O receio foi manifestado à imprensa pelo presidente da Associação dos Guineenses Residentes em Cabo Verde, Fernando Baldé, para quem a demissão quinta-feira passada do Governo de Domingos Simões Pereira, pelo Presidente da República, José Mário Vaz, é “inconstitucional”.
“Queremos pedir ao Presidente que aceite a vontade do povo porque desde que começou esta crise nós estamos muito preocupados e tristes em Cabo Verde. A vontade do povo são os votos. Achamos que demitir o primeiro-ministro é uma inconstitucionalidade”, sustentou.
“A vontade do povo é a mesma coisa que a vontade de Deus. Achamos que o Presidente deve recuar nas suas intenções”, prosseguiu Fernando Baldé, admitindo que teme intromissões para a crise política se agravar para um crise militar no país.
O líder associativo disse que a crise política está a ter enorme impacto na comunidade guineense residente em Cabo Verde, tendo em conta que muita gente cancelou as suas férias para visitar o país e outros não conseguem enviar dinheiro aos seus familiares.
“Num país onde não há governo a funcionar ninguém pode enviar dinheiro para apoiar as famílias que lá estão. E tudo está parado e estamos muito preocupados com esta situação”, lamentou.
Fernando Baldé indicou que a comunidade guineense, que já tinha realizado uma marcha antes do Presidente demitir o Governo, vai continuar a realizar outras ações e apelos pela paz, estabilidade e unidade na Guiné-Bissau enquanto o Presidente não voltar a se pronunciar.
A vigília realizou-se no largo junto ao Estádio da Várzea, na Cidade da Praia, e contou com a presença de quase uma centena de guineenses, com velas acesas e cartazes com mensagens em que se apela à paz, unidade e estabilidade na Guiné-Bissau.
Fonte: Lusa
 
 

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top