PUB

Política

Governo Institucionaliza dias Nacionais da Comunicação Social

O Governo, em reconhecimento do importante papel da comunicação social no quadro da promoção do desenvolvimento, do debate informado e para o exercício da cidadania aprovou em Conselho de Ministros de 21 de Maio, o diploma que institui os dias nacionais da Comunicação social.
Assim, o “Dia Nacional do Jornalista” passa a ser comemorado a 5 de Janeiro, dia do aniversário do maiense, Luis Loff de Vasconcelos, um defensor acérrimo e com sentido de justiça, da independência e da formação identitária nacionais. Luis Loff foi fundador e dirigente do periódico “Revista de Cabo Verde”, considerado o primeiro grande projeto de construção de uma identidade político-cultural de Cabo Verde, cuja missão visava passar em revista todos os assuntos de interesse geral para o arquipélago.
Notoriamente conhecido como o homem da imprensa, Luís Loff de Vasconcelos, destacava-se por ser culto e conhecer das nossas ilhas e das nossas gentes, e através das suas escritas, potenciou o cultivo da nossa cultura, da saberia e do despertar dos sentimentos patrióticos, além de outros grandes feitos.
“Por estas e muitas outras razões, em jeito de reconhecimento e de justa homenagem, entende o Governo que a data do nascimento de Luis Loff de Vasconcelos deverá, por esta via, ser lembrada e perpetuada enquanto o “Dia Nacional do Jornalista”, explica o Ministro da Presidência do Conselho de Ministros Démis Lobo Almeida.
O “Dia Nacional da Imprensa Escrita” passa a ser assinalado a 24 de Agosto. A data lembra a publicação do primeiro número do Boletim Oficial do Governo ultramarino da região de Cabo Verde, a 24 de Agosto de 1842, na vila de Sal rei, na Boa Vista. O periódico dedicava não só a publicações oficiais, mas, também, trazia informações importantes relativos aos eventos culturais, avisos, divulgação de produtos e atividades comerciais, além de informações de carácter geral. Sendo a mais antiga publicação impressa no território nacional, na sequência da instalação na ilha da Boa Vista da máquina de impressão, é, pois, uma “data incontornável e de referência para a Imprensa Nacional. Por estas razões, entende o Governo que está data marcante deverá simbolizar o “Dia Nacional da Imprensa Escrita”, salienta Démis Lobo Almeida.
O “Dia Nacional da Rádio” é o 9 de Dezembro, o mesmo dia que se deu a tomada da Rádio Barlavento pelos nacionalistas cabo-verdianos, em 1974, abrindo um novo percurso da radiodifusão em Cabo Verde. A tomada da Rádio Barlavento integrou a estratégia nacionalista, sendo que, depois dessa altura, os profissionais da radiodifusão passaram por formações nos mais diversos países, abrindo novas perspetivas para a comunicação no país. Para o governante, “atrelar o “Dia Nacional da Rádio” à data da tomada da Rádio Barlavento, é reconhecer, com justiça, a importância histórica desse feito”.
O dia 12 de Março passa a ser o dedicado a Televisão nacional, lembrando o início das primeiras emissões oficiais e regulares da televisão em Cabo Verde, a 12 de Março de 1984. Por ser uma data histórica e de referência, entende o Governo ser a mais indicada para simbolizar o “Dia Nacional da Televisão”.
A institucionalização dos dias nacionais da comunicação social acontece no quadro das comemorações do mês da Liberdade de Imprensa e do 40.º Aniversário da Independência Nacional.
“Com esta medida pretende-se que se criem o ensejo para a reflexão sobre o contributo do sector da comunicação social para o desenvolvimento da sociedade e do país, mas, também, que seja uma oportunidade para se perscrutar os caminhos a percorrer com vista a consolidação da comunicação social, enquanto instituição fulcral para a cidadania e a democracia”, diz Démis Lobo Almeida, que tutela a pasta da comunicação social

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top