PUB

Mundo

Guiné-Bissau: Ministro não se demite porque Partido não faz “política de cadeira vazia”

O porta-voz do Partido para a Renovação Social (PRS), Victor Gomes Pereira, afirmou que não se demite do cargo de ministro da Comunicação Social da Guiné-Bissau, porque aquela força não faz “política de cadeira vazia”.

“O PRS não pode fazer uma política de cadeira vazia, de forma nenhuma. O PRS é um partido responsável e, como tal, há de continuar no Governo. Se não estivéssemos no Governo seria pior”, disse o porta-voz, que também é ministro da Comunicação Social no Executivo de Aristides Gomes, em entrevista à Agência Lusa, em Lisboa (Portugal).

Para Victor Gomes Pereira, a presença de vários partidos em reuniões do Conselho de Ministros permite debater situações, mas sente que estes não têm sido ouvidos.

“Estamos no Governo e em Conselho de Ministros debatemos estas situações, mas enfim, infelizmente, parece que tem havido uma espécie de política de orelhas moucas”, lamentou o ministro.

O político acredita que “as pessoas querem reabrir a Assembleia”, mas há outras “que não estão interessadas”.

“Querem fazer um Recenseamento (Eleitoral) viciado para que depois se justifique, perante a comunidade internacional, determinadas percentagens para irmos a eleições”, afirmou o representante do segundo maior partido guineense, que assegurou: “Nós não vamos permitir isto”.

Victor Pereira apela à população que “se dirija” às mesas de recenseamento e que esteja “atenta e vigilante” para garantir que o direito de cidadania “vingue”.

A Guiné-Bissau vive uma crise política há vários anos, tendo o Presidente da República, José Mário Vaz, nomeado, em Abril último, Aristides Gomes como primeiro-ministro para a constituição de um Governo inclusive, com vista à realização das Eleições Legislativas.

As Eleições, marcadas para 18 de Novembro, têm sido colocadas em causa por várias organizações, dadas às dificuldades em assegurar o Recenseamento.

A 6 de Setembro, o Grupo das Organizações da Sociedade Civil para as Eleições na Guiné-Bissau considerou que a realização das Legislativas a 18 de Novembro era “tecnicamente inviável”, posição partilhada pela Comissão Nacional de Eleições (CNE) do país, que defendeu, no dia seguinte, um novo cronograma eleitoral.

O recenseamento eleitoral na Guiné-Bissau deveria ter decorrido entre 23 de Agosto e 23 de Setembro, mas atrasos na recepção dos “kits” para registo biométrico dos cidadãos obrigou a que o processo só tivesse início a 20 de Setembro.

Em Abril, o presidente da CNE, José Pedro Sambu, tinha alertado para a necessidade de serem disponibilizados fundos para o início de Recenseamento Eleitoral em Julho de 2018, tendo previsto, na altura, que haveria cerca de 900 mil eleitores naquele País Lusófono da África Ocidental.

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top