PUB

Política

Primeira-dama defende empoderamento da mulher rural com facilitação do acesso à formação e às TIC

A primeira-dama de Cabo Verde, Lígia Fonseca, defendeu hoje em Milão, Itália, o empoderamento do pequeno agricultor e das mulheres rurais pela via da facilitação do acesso à formação e às novas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC).
Lígia Fonseca deu a conhecer, via telefone, à Inforpress o teor da sua intervenção hoje na Reunião Ministerial sobre Segurança Alimentar e Adaptação Climática em Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento, e mais concretamente no IV painel em que foi convidada a falar da melhoria de vida dos pequenos agricultores com incidência na mulher.
Durante a sua intervenção, que coincidiu com o Dia Internacional da Mulher Rural, enfatizou que só será possível alcançar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) se se fizer uma forte aposta na melhoria da situação das mulheres designadamente das mulheres rurais.
Neste sentido, sublinhou que, para além dos sectores tradicionais como são a educação, a saúde e as infra-estruturas, é necessário investir também na questão das novas tecnologias de informação e comunicação e energias renováveis como elementos essenciais para que as actividades no mundo rural possam ter um desenvolvimento.
“O simples facto de se ter um stmarphone com acesso à internet permitirá ao pequeno agricultor, que por exemplo, esteja em São Nicolau, saber quais são as necessidades do mercado na Praia, qual é o preço que os seus produtos são vendidos na Praia de maneira que quando ele vende em São Nicolau com destino à Praia, possa fazer uma venda por um preço justo, valorizando a sua produção”, exemplificou.
Para além desse exemplo Lígia Fonseca disse também que essas novas tecnologias permitem que os pequenos agricultores tenham acesso à informação sobre as novas tecnologias do mundo da agricultura, as novas formas de utilização das sementes e da terra, das formas de combate às pragas, permitindo-lhes aumentar a sua produção e o seu rendimento e ao mesmo tempo combater a insegurança alimentar.
“Penso que é também um investimento que nós temos que fazer… ter uma política centrada nessas novas tecnologias. Ensinar as pessoas a tirarem benefícios das novas TIC no exercício das suas actividades, dos seus negócios”, realçou.
A esposa do Presidente da República avançou ainda que o evento foi também oportunidade para dizer que o agro-negócio é um bom instrumento para o desenvolvimento rural, tendo falado das experiências da ilha do Fogo relativamente ao vinho e ao café.
“Foi uma oportunidade de mostrar como é que o agro-negócio pode melhorar o rendimento dos pequenos agricultores”, precisou, reiterando a necessidade da capacitação e da facilitação do acesso ao crédito e às TIC.
Ligia Fonseca terminou a sua intervenção enfatizando que as mulheres estão em maior número no meio rural e que portanto toda a capacitação que se faz nas mulheres rurais é uma mais-valia na melhoria da situação de toda a comunidade, já, conforme frisou, “a mulher quando tem um aumento de rendimento investe esse rendimento no bem-estar da família.
“O que temos de fazer agora é aproveitar essa boa vontade e a capacidade de enfrentar os desafios que a mulher cabo-verdiana tem para dotá-las de mais instrumentos, mais conhecimentos para que ela possa ter uma maior rentabilidade, acabando também a insegurança alimentar”, finalizou.
O Dia Mundial da Mulher Rural foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) a 15 de Outubro de 1995 e pretende elevar a consciência mundial sobre o papel da mulher.
Fonte: Inforpress

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top