PUB

Sociedade

Taxa de mortalidade infantil cai para 53%

A taxa de mortalidade infantil a nível mundial caiu para mais de metade (53%) de acordo com de Níveis e Tendências da Mortalidade Infantil 2015 publicado esta quarta-feira, 9.
Segundo o relatório, as mortes de menores de cinco anos desceram de 12,7 milhões por ano em 1990 para 5,9 milhões em 2015, sendo o primeiro ano em que o número situou abaixo da marca dos 6 milhões.
De acordo com o relatório, Cabo Verde está na posição 80, com registo de 25 mortes em cada mil nascimentos. Nas três primeiras posições estão Angola (157), Chade (139) e Somália (137).
As novas tendências sobre a taxa de mortalidade infantil, em menores de cinco anos, foram publicadas pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Grupo do Banco Mundial e a Divisão de População do UNDESA.
Embora com este decréscimo, o relatório diz ainda que todos os anos morrem 16 mil menores, 700 por cada hora e 11 em cada minuto. Um número muito aquém do esperado, 53 por cento (%), que aquela organização considera como insuficiente para atingir o Objectivo de Desenvolvimento do Milénio (ODM).
“Temos que reconhecer o tremendo progresso registado a nível global, especialmente a partir de 2000, altura em que muitos países triplicaram a taxa de redução da mortalidade em menores de cinco anos,” afirmou a Directora Executiva Adjunta do UNICEF, Geeta Rao Gupta. “Mas é um número demasiado elevado de crianças que ainda morrem de causas previstas antes do seu quinto aniversário – e, de facto, dentro do seu primeiro mês de vida – devem impelir-nos a redobrar os nossos esforços no sentido de fazermos o que deve ser feito. Não podemos continuar a decepcioná-las.”
O relatório avança ainda que apenas a Eritreia, Etiópia, Libéria, Madagáscar, Malawi, Moçambique, Níger, Ruanda, Uganda e Tanzânia (considerados de baixa renda),  atingiram a meta dos ODM neste quesito.
Segundo o relatório, o maior desafio centra-se no momento do nascimento, onde 45% das mortes  ocorrem no período neonatal, ou seja, 28 dias de vida.
As causas das mortes, ainda segundo avança o documento são: prematuridade, a pneumonia, complicações durante o trabalho de parto, o parto em si, a diarreia, a sepsis, enquanto quase metade de todas as mortes em menores de cinco anos está associada à desnutrição.
A UNICEF avança ainda que a redução da taxa de mortalidade infantil poderia ser ainda maior, caso se concentrasse os esforços nas regiões onde tem maiores problemas como a África Subsaariana e o sul da Ásia, com nos recém-nascidos.
Apesar deste números, o relatório diz ainda que houve ganhos consideráveis a partir do ano 2000, salvando 50 milhões de vida e mais 38 milhões de vidas poderiam ser salvas até 2030 se o progresso for ainda mais acelerado, em conformidade com os Objectivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) que os líderes mundiais estão prontos para aprovar nos finais do corrente mês.

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top