PUB

Política

Recondução do CEMFA: Continua o braço-de-ferro entre PR e Governo

A recondução do major-general Alberto Fernandes no cargo de Chefe de Estado Maior das Forças Armadas (CEMFA) está a gerar uma guerra surda entre o Governo e a Presidência da República. Jorge Carlos Fonseca mantém reticências em reconduzir o major-general, enquanto o executivo de José Maria Neves reitera a sua confiança em Alberto Fernandes.
O Governo, como manda a Constituição da República, propôs ao PR, desde finais de Dezembro, a recondução  de  Alberto Fernandes  no cargo de CEMFA, mas até esta não teve qualquer  sinal nesse sentido  por parte  do Chefe de Estado, Jorge Carlos Fonseca, que é também  o Comandante Supremo das Forças Armadas (FA).
Na edição anterior deste jor- nal tínhamos avançado que Alberto Fernandes  pode não ser reconduzido no cargo de Chefe de Estado Maior das Forças Ar- madas, porque o Presidente da República (PR) não está satis- feito com a sua postura, alegadamente, por o andar a ignorar enquanto Comandante Supremo das FA.
Entretanto, o primeiro-ministro estranhou a notícia do A NAÇÃO, que, no seu entender, “só pode ser falsa”. É que segundo José Maria Neves, desde final de Dezembro, o Governo enviou uma proposta ao PR e, tendo encontros semanais com o Chefe de Estado, “ele não me disse absolutamente nada e, portanto, espero que esta notícia seja falsa porque seria grave que a Presidência da República mandasse mensagens ao Governo através de um jornal”.
JMN fez tal afirmação na entrevista que concedeu à Rádio de Cabo Verde, a propósito do quarto aniversário do seu actual executivo e durante a qual comentou vários outros aspectos da vida nacional. Um dos temas foi a remodelação ou não do seu elenco governamental, confessando que há membros do seu executivo que pediram para deixar essas funções.
Entretanto, confrontado também por A NAÇÃO sobre o processo de recondução do major-general Alberto Fernandes no cargo de CEMFA, Jorge Carlos Fonseca confirmou ter recebido há já algum tempo a proposta do Governo nesse sentido, tendo afirmado que essas coisas “têm que ser avaliadas”.
JCF asseverou que não há nenhuma  crise nas FA e que as suas  relações  com  a  institui- ção castrense  são as que  são balizadas  pelas funções que o PR tem como Comandante  Supremo das FA, “o que não quer dizer que as perspectivas  das pessoas sejam coincidentes”.
Fonseca rematou que este dossiê “é um assunto normal, porque é a nomeação para um alto cargo público, neste caso relativo às FA” e cabe nos ter- mos constitucionais ao Governo  propor  a  nomeação  e  ao PR decidir, coisa que manifestamente  ainda não fez, até ao momento   da   nossa   abordagem.
O mandato  do major-general Alberto Fernandes  no cargo de Chefe de Estado  Maior das Forças Armadas terminou no dia 31 de Dezembro de 2014. Até à sua substituição ou renovação do mandato  ele vai exercendo  essas  funções  normal- mente.

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top