PUB

São Vicente

Áurea Fortes, uma centenária que ainda faz costuras

Dona Áurea Fortes completa nesta quinta-feira, 19, 100 anos de vida. Apesar da idade e muitas estórias para contar, está bastante lúcida, tanto assim é que ainda faz trabalhos de costura.
Áurea Spencer Fortes nascera no longínquo 19 de Fevereiro de 1915, na ilha de Boa Vista, mas há mais de quatro décadas que reside na ilha de São Vicente. Ilha que conheceu pela primeira vez ainda criança quando veio junto com a mãe, depois da morte do pai.
Durante algum tempo, Áurea dividira a sua vida entre essas duas ilhas, e por último depois de a mãe morrer em Angola, passou a viver definitivamente na ilha do Monte Cara, há já 44 anos. Neste período que trouxe os três filhos, dois rapazes e uma rapariga. “Estive algum tempo em Angola após a morte da minha mãe e depois vim viver definitivamente em São Vicente”, conta a anciã.
Não é só disso que Dona Áurea se lembra; apesar da idade recorda de factos que muita gente já esqueceu e também das datas de aniversários de todos os familiares e amigos. Embora de aspecto franzino faz-se forte, o suficiente, para utilizar a máquina de costuras e até enfiar a agulha. “Arranjo roupas, também faço pegas, sacos de pão, panos de mesa, rendas”, revela Dona Áurea, que aproveita a nossa reportagem para fazer “publicidade” do seu trabalho.
Filhos orgulhosos
Sempre saudável ao longo desses 100 anos de vida, Áurea Fortes já viajou para Angola, Portugal, França e ainda assim até hoje só queixa das dores naturais da idade. Uma saúde que faz inveja à muita gente e que deixa os filhos muitos orgulhosos. “É uma grande honra ver a minha mãe chegar a essa idade. Ainda ontem à noite cheguei aqui e a encontrei sentada à máquina a fazer as suas costuras. Ela consegue enfiar a linha as agulhas sem problemas”, salienta o filho Miguel Ângelo Fortes, que vive neste momento em Angola.
Rui Fortes, o único filho que está com a mãe desde sempre, isto porque há outra filha também é emigrante em Portugal, refere ser um “privilégio” ver a mãe centenária, mas ainda muita lúcida. “É uma alegria mesmo ver a minha mãe com 100 anos, mas tão lúcida. Porque algumas pessoas podem até conseguir chegar a essa idade, mas não no juízo perfeito como ela”, refere Rui.
No entanto, ao parece chegar a um século de vida é um legado de família, já que a mãe de Áurea também morreu com essa linda idade e a bisavó materna teve a mesma sorte. Motivo mais do que suficiente para os familiares e amigos, tanto em Cabo Verde como também vindos do estrangeiro (Angola, Portugal e Alemanha) estarem a organizar uma grande festa nesta noite de quinta-feira, para que Áurea Fortes possa pagar as muitas velinhas. Uma centena de anos que esta velhinha já conseguiu ver crescer a família de três filhos para 11 netos, oito bisnetos e um trineto.
 

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top