PUB

Cultura

CVMóvel cancela festival quase três horas depois do tempo previsto para arranque

A CVMóvel, empresa de telefonia móvel de Cabo Verde, resolveu cancelar o Festival 400 Mil, que tinha marcado para o final da tarde deste sábado (10).
Segundo o engenheiro Eduardo Mendes, administrador executivo da CVMóvel, os motivos para a não realização do festival que tinha por objectivo comemorar com todos os clientes a chegada ao 400 mil números, estão ligados ao naufrágio, seguido de mortes, ocorrido na passada quinta-feira (8), a quatro milhas do Porto do Vale dos Cavaleiros (São Filipe, Fogo).
“É obvio que ninguém gostaria que isso acontecesse, mas é um drama que nós entendemos que valia a pena a suspensão do festival”, afirmou o administrador executivo da CVMóvel que acredita que o povo e os clientes irão entender porque Cabo Verde tem pessoas solidárias.
A organização avançou que brevemente irão anunciar uma nova data, recordando que o Festival 400 Mil já tinha sido cancelado uma outra vez por causa da erupção do Vulcão do Fogo.
À pergunta de porquê a decisão do cancelamento ter sido tomada quase três horas depois do tempo previsto para o arranque do festival, o administrador executivo afirmou que desde que se soube do desastre vinha-se cogitando essa possibilidade, mas perante as informações de mortes e desaparecimentos, conversaram com s artistas que já estavam prontos para actuar e estes entenderam.
Entretanto muitos artistas não gostaram da forma como foram feitas as coisas, já que o naufrágio aconteceu há quase três dias e as notícias de mortes estavam a chegar desde então. Alguns criticaram o facto do festival de Nhu Santu Amaro ter prosseguido, mesmo depois desse episódio de desastre com perdas humanas e a CVMóvel utilizar este argumento para adiar o evento.
“Eles devem ter um grande motivo para cancelar. O que aconteceu abala a população. Mas é triste para nós artistas que preparamos por dias”, começa por dizer a cantora Fattú Djakitté que diz ter sido avisada do cancelamento na hora marcada para subir ao palco. “Não é questão de concordar ou não, é a decisão que tomaram. Vim preparada e hoje tivemos um ensaio, todos estavam preparados e veio um grande público”, terminou a artista que lamentou o desastre. “Desejo força para todos”.
Os comerciantes também não ficaram felizes com a decisão tomada em cima da hora, uma vez que fizeram um investimento considerável propositadamente para o festival. “Só vendo nos dias de festival. Ainda hoje à tarde enviaram-nos mensagens para estarmos aqui e agora isto. É falta de respeito. É muito triste o que aconteceu, lamentamos as mortes, mas eles deveriam pensar nisso. Agora quem arca com o nosso prejuízo?”, questionou uma das comerciantes.
Outra comerciante que alugou a barraca por cinco mil escudos e gastou mais 30 mil em produtos para vender no festival também não gostou da atitude da organização e quer saber agora como fazer para recuperar o prejuízo, uma fez que, cancelado o festival, vai ter que regressar com todos os produtos para casa. CG

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top