Home » Opinião » O social, a tecnologia & preparação para o desenvolvimento das ilhas

O social, a tecnologia & preparação para o desenvolvimento das ilhas

Com a penetração da energia solar, na rede da Elétrica, os custos da energia e água deviam também, acompanhar esta inovação, aplicando-se, nova política de preços, competitivos, como forma de atrair novos investidores e novas áreas industriais em todo o Cabo Verde.

 Por: José Valdemiro Lopes

Cabo Verde, em pleno século 21, era de mudanças geoestratégica mundial, profundas e de transferência de tecnologia, não pode mais continuar na condição de desenrasco, situação que ainda vive a maioria da população. O país tem suas próprias potencialidades e dispõe de bons indicadores positivos: a nação é jovem e investiu na sua juventude. Os recursos humanos, qualificados, os líderes e quadros, devem mudar de paradigma e activar comportamentos proactivos, mais ainda, os partidos políticos, estão literalmente, desconectados da realidade quotidiana e estes, actores, devem assumir sem ambiguidades, suas próprias responsabilidades tornando-se, tanto na situação como na oposição, mais conscientes e preparados na adequação da gestão e boa governança, de facto, da máquina administrativa pública, tornando-a, mais produtiva e eficaz, com a finalidade de coloca-la, ao serviço do desenvolvimento socioeconómico de todas as ilhas cabo-verdianas, consolidando as estruturas democráticas desta nação.

A utilização da Internet de maneira útil e produtiva, irá colocar-nos em situação de igualdade, com países mais avançados, colocando todos a priori na situação e mesma posição global de ‘democratização da economia’ possibilitando a todo e qualquer utilizador, se necessário for, fazer promoção e venda directa de qualquer bem ou produto, individualmente ou corporativamente, no país ou em qualquer outro lugar ou espaço geográfico do mundo.

A tecnologia, a robótica e a inteligência artificial ferramentas por excelência da instalação da quarta revolução desta feita tecno-industrial, criam oportunidades e abrem portas a novas perspectivas de mudanças profundas, muitas vezes radicais, influenciando o mundo inteiro, Cabo Verde irá abraçar todas essas tendências do conhecimento para se poder assimilar e regularizar as incidências que num futuro próximo irão propulsar, as nove ilhas povoadas a um nível optimal, ficando, estas estrategicamente operacionais, para se poder ultrapassar e estar-se, acima dos constrangimentos e limitações, de ordens várias que até a presente data, nos cerca e limita ao status quo …

Com a penetração da energia solar, na rede da Elétrica, os custos da energia e água deviam também, acompanhar esta inovação, aplicando-se, nova política de preços, competitivos, como forma de atrair novos investidores e novas áreas industriais em todo o Cabo Verde, que tem sede intensa de desenvolvimento e crescimento, e a população espera aumento salarial e aguarda benefícios de ordem socioeconómicos desejados, para se poder, aumentar o consumo interno e diminuir os custos de vida… mas é verdade que a Elétrica está na posição dominadora e de monopólio na maioria das regiões, ficando com o bolo e a faca nas mãos e a administração pública e privada têm suas próprias politicas sociais e salariais, egoístas…

Operando-se a descentralização administrativa seguir-se-á, também, o fenómeno, de fixação das populações nas suas zonas, factor de criação de condições de instalação de pequenas indústrias, em todas as nove ilhas habitadas junto ao consumidor final. As periferias da Praia e do Mindelo, que até hoje crescem em contínuo, assinalarão, no futuro, tendências opostas… A sustentabilidade desta ideia de migração interna futura, desta feita, para a periferia, é nos fornecida, graças às análises e estudos de casos operados nas ilhas do Sal e da Boa Vista, que cresceram em termos populacionais, de maneira exponencial, o crescimento económico, no sector da indústria turística, foi criador de oportunidades de emprego e melhoramento social, atraindo, praticamente todos os tipos de mão-de-obra e serviços vindos tando do centro, já saturado e também das outras ilhas com desemprego jovem acentuado…

Com a instalação de políticas orientadas, para captação do investimento externo directo (IDE), e criação de oportunidades de negócios, viradas para a “massificação” de pequenas indústrias em todas as nove ilhas habitadas estar-se-ia a inaugurar o tempo de implantação de soluções para o fim dos desequilíbrios centro periferia, permitindo a cada região desenvolver com menos constrangimentos, suas potencialidades e projectos de crescimento local, com impacto no todo nacional.

Este pequeno país, não pode, pois, continuar, de braços cruzados, mas ousar, mais acreditando na sua juventude o futuro está ao alcance, com a mudança de mentalidade …

miljvdav@gmail.com

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade