Home » Actualidades » Turismo: Número de hóspedes cresce 9,5% no segundo trimestre

Turismo: Número de hóspedes cresce 9,5% no segundo trimestre

Sal continua a ser a ilha mais procura e os turistas ingleses lideram as entradas no país.

O número de hóspedes em Cabo Verde aumentou 9,5% no segundo trimestre deste ano, face ao trimestre homólogo.

Os dados foram revelados esta manhã pelo INE. Assim, no segundo trimestre de 2018, os estabelecimentos hoteleiros acolheram cerca de 168 mil hóspedes, mais 9,5% do que no mesmo período do ano anterior.

Em termos absolutos, entraram nos estabelecimentos hoteleiros mais 14.636 turistas do que em igual período do ano transato.

Já as dormidas atingiram cerca de um milhão e 79 mil no período em análise, traduzindo-se numa variação positiva de 9,3%, em relação ao 2º trimestre de 2017. Em termos absolutos, houve um aumento de 91.771 dormidas.

A análise por tipo de estabelecimento revela que os Hotéis continuam a ser os estabelecimentos hoteleiros mais procurados, representando 88,1% do total das entradas. Seguem-se as Residenciais com cerca de 3,7%, as Pensões com 3,2% e os Aldeamentos turísticos com 2,6%. Relativamente às dormidas, os Hotéis representam 91,6%, os Aldeamentos turísticos 2,6% e as Residenciais 2,3%.

A ilha do Sal continua a ser a mais procurada, com 48,4% do total das entradas, seguido-se Boavista, com 27,2% e Santiago com 12,7%. Em relação às dormidas, a ordem é a mesma, em primeiro lugar, Sal com 55,0%, a seguir, Boavista com 34,1% e Santiago, com 5,0%.

Se atentarmos a análise por país de residência habitual dos hóspedes, os residentes em Cabo Verde totalizaram cerca de 8,2% das entradas e 3,9% das dormidas.

Mas, o principal mercado emissor de turistas, neste trimestre, continua a ser o Reino Unido com 25,1% do total das entradas, seguido de Portugal, Alemanha, França, Bélgica + Holanda, responsáveis por 12,1%, 11,4%, 10,0% e 9,2% desse total, respetivamente.

Relativamente às dormidas, o Reino Unido lidera também com 33,7% do total, seguido da Alemanha, Bélgica-Holanda (Países-Baixos), Portugal e França, com 12,7%; 10,7%, 9,7% e 8,4% respetivamente.

A maioria dos turistas provenientes do Reino Unido preferiu como destinos Sal e da Boavista, representando, respetivamente, 54,4% e 44,7% das dormidas e escolheram como local de acolhimento os Hotéis, 99,3%.

Os da Alemanha escolheram como destino principal a Boavista (46,6%), depois Sal, representando, 46,4% das dormidas. Preferiram, também, os Hotéis como o principal meio de alojamento, representando 96,6%.

Os residentes em Bélgica-Holanda preferiram como destino principal  Sal (63,3%), seguida da Boavista, representando, 30,4% das dormidas. Escolheram, também, os Hotéis como o principal meio de alojamento, representando 94,1%.

Já as dormidas dos residentes em Portugal distribuíram-se principalmente pelo Sal (61,6%), Boavista (21,5%) e Santiago (11,1%). Os Hotéis foram os estabelecimentos mais procurados pelos portugueses (94,4%).

Segundo os dados apurados pelo INE no trimestre em análise, os visitantes provenientes do Reino Unido tiveram maior permanência média em Cabo Verde (8,5 noites). A seguir estão os provenientes dos Países Baixos (7,2 noites), da Alemanha (6,9), e da Itália com permanência de 6,8 noites. Os cabo-verdianos residentes permaneceram, em média, 2,8 noites nos estabelecimentos hoteleiros.

Durante o segundo trimestre, em média, a taxa de ocupação-cama, a nível geral, foi de 47%, contra os 50% registados no trimestre homólogo.

As ilhas da Boavista e do Sal tiveram as maiores taxas de ocupação – cama com 71% e 50%, respetivamente. Os hotéis foram os estabelecimentos hoteleiros com maior taxa de ocupação – cama, 50%; seguem-se os aldeamentos turísticos com 30%, as pousadas e as residenciais, cada com 18%.

Segundo esse instituto, já em relação aos dados acumulados, no período de janeiro a junho de 2018, os números mostram que os estabelecimentos hoteleiros registaram mais de 383 mil hóspedes e cerca de 2,4 milhões de dormidas, movimentos que se traduzem em acréscimos nas entradas e nas dormidas, ambas de, 10,0% face ao semestre homólogo.

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade