Home » Actualidades » Cabo Verde Airlines já pediu à ENAC a suspensão da revogação para voar para Itália

Cabo Verde Airlines já pediu à ENAC a suspensão da revogação para voar para Itália

A companhia diz ter conseguido "a proteção de cerca de 75% dos passageiros retidos em Milão, entre os quais muitos cidadãos brasileiros.

A Cabo Verde Airlines diz que já entrou em contacto com a ENAC no sentido de solicitar a” suspensão da revogação” imposta por essa agência de aviação civil de Itália, que deve entrar em vigor esta sexta-feira, 20, e que impede a companhia de voa para Itália.

Num comunicado chegado à nossa redacção a Cabo Verde Airlines, confirma que devido ao atraso significativo na reposição da frota, que impediu durante duas semanas a realização de voos para Milão, a  ENAC revogou a autorização de voos da companhia para esse país.

“A companhia foi informada pela entidade aeronáutica italiana ENAC que, devido à ausência prolongada de voos, foi revogada a autorização de voar para milão a partir de 20 de julho. No entanto, a companhia já entrou com um pedido de suspensão dessa revogação para efeitos de proteção dos passageiros retidos, pedindo a reativação da licença. Inclusive, já estava prevista a retomada do voo para Milão a partir de hoje com o B767”, avança o comunicado.

Como já é público, e a A NAÇÃO tem vindo a noticiar, esta ausência prolongada de voos, desde 1 de julho até á presente agora deveu-se ao atraso na reposição de frota, que já está sendo sanada com a chegada a Cabo Verde de duas aeronaves.

Conforme avança a administracção destas duas aeronaves, “uma, o B767 já retomou os voos para Lisboa e tem toda a programação já feita para Milão e Paris”, enquanto a segunda aeronave, a D4-CCF ( B757-200) “reforçará brevemente os voos para Europa e assegurará a ligação para Brasil e EUA.”

Quanto à situação com os passageiros e voos de Itália a Cabo Verde Airlines diz ter conseguido “a proteção de cerca de 75% dos passageiros retidos em Milão, entre os quais muitos cidadãos brasileiros, com todas os custos pagos ao abrigo da lei internacional, que inclui deslocação, transporte, alojamento e refeições.”

A companhia, explica ainda que “por não dispor de balcão de atendimento ao público, assegura apoio aos seus passageiros através de equipas de handling no aeroporto de Milão, certificando-se do acolhimento devido ao abrigo da lei internacional”.

A nível global, em todos os países onde opera, a companhia diz ter assegurada a proteção de “90% dos passageiros, estando em estreito contacto com todas as entidades legais de cada país para assegurar esta missão”, desde entidades nacionais de aeronáutica, aeroportos, embaixadas, entre outras.

 

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade