Home » Actualidades » PAICV pede intervenção do Governo na capitalização social do BCV

PAICV pede intervenção do Governo na capitalização social do BCV

Segundo a líder da oposição, os resultados negativos do BCV, “na ordem de 2.9 milhões de contos”, deveu-se a uma política de abaixamento das taxas dos juros

A presidente do PAICV disse esta quinta-feira que há necessidade de preservar o papel Banco de Cabo Verde (BCV) e, por isso, pediu a intervenção do Governo na sua capitalização social.

Janira Hopffer Almada fez essas considerações em declarações aos jornalistas, na Cidade da Praia, após um encontro que manteve com governador do Banco Central, João Serra, para abordar, de entre outros assuntos, a situação financeira da instituição face aos “resultados negativos” do ano passado.

Segundo a líder da oposição, os resultados negativos do BCV, “na ordem de 2.9 milhões de contos”, deveu-se a uma política de abaixamento das taxas dos juros, ao excesso de liquidez dos bancos comerciais e a própria apreciação do dólar norte-americano.

“É importante que o Governo assuma o seu papel, tendo em conta a missão fundamental do BCV e faça a intervenção que a lei lhe impõe”, frisou Janira Hopffer Almada, indicando que essa intervenção deve ser feita através de subvenções previstas no Orçamento do Estado.

Por isso, a presidente do maior partido da oposição lembrou que o sistema jurídico cabo-verdiano   aponta   que nessas situações deve-se garantir a credibilidade da instituição e levar em conta o contexto da obtenção desses resultados.

As demonstrações financeiras auditadas do BCV, referentes a 31 de Dezembro de 2017, evidenciam um activo total de 68.207.271 milhares de escudos e um capital próprio negativo de 2.447.849 milhares de escudo, segundo   um comunicado sobre a situação financeira   da instituição divulgado no passado dia 12 de Junho.

“À semelhança do que se tem verificado em bancos centrais de muitos países em desenvolvimento, a actividade do BCV vem sendo condicionada sobretudo pela evolução do ambiente económico mundial, a partir da crise financeira iniciada em 2007”, lê-se no referido documento.

A mesma fonte indiciou que o ambiente económico e financeiro tem evoluído no sentido de limitar a capacidade do BCV de gerar resultados positivos, sendo, no entanto, bastante diverso o efeito dos fenómenos identificados, principalmente a evolução da taxa de inflação e a acumulação de reservas externas.

Inforpress

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade