Home » Actualidades » Jurista portuguesa vai liderar sistema das Nações Unidas em Cabo Verde

Jurista portuguesa vai liderar sistema das Nações Unidas em Cabo Verde

Ana Patrícia Graça, que ao longo da sua carreira passou por Angola, Guiné-Bissau e Timor-Leste, apresenta as cartas credencias ao ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, Luís Filipe Tavares, esta terça-feira.

A especialista em direito internacional Ana Patrícia Graça é a nova coordenadora residente do sistema das Nações Unidas em Cabo Verde, apresentando cartas credenciais às autoridades cabo-verdianas na terça-feira, foi hoje anunciado.

Ana Patrícia Graça, que era assessora do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Nova Iorque, foi nomeada recentemente coordenadora Residente do Sistema das Nações Unidas e representante do PNUD, UNFPA (Fundo das Nações Unidas para a População) e Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) em Cabo Verde, adianta a organização em nota.

Ana Patrícia Graça, que ao longo da sua carreira passou por Angola, Guiné-Bissau e Timor-Leste, apresenta as cartas credencias ao ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, Luís Filipe Tavares, na terça-feira.

De nacionalidade portuguesa, Ana Graça iniciou a carreira como defensora pública e advogada (1996-2001).

É mestre em direito internacional e europeu e licenciada em direito, com especialização em relações políticas, pela Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa.

Antes da nomeação exerceu as funções de chefe de equipa e assessora de políticas sobre estado de direito, justiça, segurança e direitos humanos no PNUD em Nova Iorque (2014-2018).

Exerceu igualmente as funções de assessora regional de prevenção e recuperação de conflitos no centro regional Ásia-Pacífico do PNUD, em Banguecoque, (2012-2014) e foi responsável pelo programa “Estado de Direito na Guiné-Bissau” (2009-2012).

De 2007 a 2009, foi designada como assistente do representante residente e responsável pelo programa de governação no escritório do PNUD em Angola e, de 2003 a 2007, trabalhou como assessora técnica principal no programa de justiça, em Timor-Leste.

Entre 2001 e 2003, Ana Graça trabalhou também em Timor-Leste com o UNFPA, bem como com a missão da ONU naquele país.

Antes de ingressar no sistema das Nações Unidas, exerceu funções de assessora jurídica na Assistência Médica Internacional (1998-2001).

Ana Patricia Graça sucede à sueca Ulrika Richardson-Golinski, que terminou em abril a sua missão de cinco anos em Cabo Verde, tendo assumido o cargo de coordenadora residente das Nações Unidas no Kosovo.

LUSA

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade