Home » Actualidades » Cabo Verde recetivo aos planos de investimento da China mas espera mais proatividade – Eunice Silva

Cabo Verde recetivo aos planos de investimento da China mas espera mais proatividade – Eunice Silva

A ministra das infraestruturas de Cabo Verde esteve em Macau a participar em um seminário sobre construção de Infraestruturas entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

A ministra das infraestruturas cabo-verdiana afirmou sexta-feira,8,  em Macau, estar recetiva aos planos de investimento da China e ao aumento da parceria com o país asiático, mas defendeu uma maior proatividade dos investidores.

Eunice Andrade da Silva Spencer Lopes falava aos jornalistas à margem de um seminário sobre construção de Infraestruturas entre a China e os Países de Língua Portuguesa, onde participaram outros quatro países lusófonos: Brasil, Timor-Leste, Moçambique e Guiné-Bissau.

“Temos planos, temos programas, temos a visão, mas não se pode esperar apenas do país recetor, o investidor também deve ir à busca desses projetos, dentro de um quadro já definido pela política interna”, declarou, questionada sobre o papel da iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota” no país.

A iniciativa de infraestruturas, que Pequim apresentou ao mundo em 2013, tem como objetivo refazer o mapa económico e político mundial. Avaliada em 900 mil milhões de dólares, visa reativar as antigas vias comerciais entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e Sudeste Asiático.

“Estamos num mundo aberto hoje em dia, apesar de a China ter um regime ‘fechado’ do ponto de vista político, do ponto de vista económico entendo que há uma abertura (…) a economia do mercado, as regras do mercado, funcionam aqui”, considerou.

A ministra ressalvou ainda “o trunfo” de uma relação antiga com a China “através de Macau”. “Porque não estabelecer parcerias com quem está mais à frente na matéria de desenvolvimento”, questionou.

O embaixador de Timor-Leste em Pequim, Bendito Freitas, também se pronunciou sobre a iniciativa chinesa de infraestruturas, um projeto com especial importância para “um país tão jovem, com apenas 16 anos da sua existência” e que enfrenta atualmente “vários desafios”.

“Depois da restauração da independência de Timor-Leste, em 20 de maio de 2002, a China foi um dos primeiros países a estabelecer as relações diplomáticas com o país”, recordou o diplomata.

Neste sentido, “[a China] contribuiu bastante nos apoios à doação de infraestruturas para Timor-Leste e atualmente continua a apoiar. Esta cooperação com a China é muito importante, e já temos cooperações e acordos em várias áreas”, declarou.

O Seminário entre a China e os países lusófonos decorreu no último dia do fórum internacional sobre investimento e construção de infraestruturas em Macau, onde o desenvolvimento do setor foi discutido por mais de 60 países, com especial ênfase na tecnologia e na iniciativa “Uma Faixa, uma Rota”.

Lusa

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade