Home » Actualidades » Última hora: Germano Almeida vence Prémio Camões 2018

Última hora: Germano Almeida vence Prémio Camões 2018

O escritor cabo-verdiano Germano Almeida venceu o Prémio Camões 2018. O prémio acabou de ser anunciado em Lisboa.

O escritor cabo-verdiano Germano Almeida é o vencedor do Prémio Camões 2018. Cabo Verde passa a contar com dois autores reconhecidos com esse prémio, depois de Arménio Vieira ter sido o vencedor em 2009.

O prémio que este ano está na sua 30ª edição foi anunciado após reunião do júri, em Lisboa. O escritor, que nasceu na ilha da Boavista, em 1945, tem a sua obra publicada em Portugal pela editora Caminho que acaba de editar o seu mais recente romance, “O Fiel Defunto”.

Germano Almeida estreou-se como contista no início da década de 80 e o seu primeiro romance, “O Testamento do Senhor Napumoceno da Silva Araújo”, teve os direitos vendidos para vários países e foi adaptado ao cinema por Francisco Manso. Este ano, o seu romance “Os dois Irmãos” também teve a sua estreia no cinema, num filme realizado também por Francisco Manso.

Em declarações à Agência Lusa, o escritor afirmou-se “surpreendido”, mas “muito feliz” por constatar que o seu trabalho é apreciado a ponto de receber o galardão maior da língua portuguesa.

“Estou contente, muito feliz por saber que o que escrevo é apreciado ao ponto de me darem um prémio tão prestigiado como o Camões”, disse Germano Almeida.

Para Germano Almeida este galardão representa “o reconhecimento do esforço e do trabalho” que vem desenvolvendo há anos como escritor.

O Prémio Camões é o maior prémio da Língua Portuguesa, instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988. Com a sua atribuição, é prestada anualmente uma homenagem à literatura em português, recaindo a escolha num escritor cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento “do património literário e cultural da língua comum”, segundo o protocolo estabelecido entre Portugal e o Brasil, assinado em junho de 1988, que instituiu o prémio.

Já receberam este prémio: Miguel Torga, João Cabral de Mello Neto (Brasil), José Craveirinha (Moçambique), Vergílio Ferreira, Rachel de Queiroz (Brasil), Jorge Amado (Brasil), José Saramago, Eduardo Lourenço, Pepetela (Angola), António Cândido (Brasil), Sophia de Mello Breyner, Autran Dourado (Brasil), Eugénio de Andrade, Maria Velho da Costa, Rubem Fonseca (Brasil), Agustina Bessa-Luís, Lygia Fagundes Telles (Brasil), Luandino Vieira (Angola — prémio recusado), António Lobo Antunes, João Ubaldo Ribeiro (Brasil), Arménio Vieira (Cabo Verde), Ferreira Gullar (Brasil), Manuel António Pina (Portugal), Dalton Trevisan (Brasil), Mia Couto (Moçambique), Alberto Costa e Silva (Brasil), Hélia Correia (Portugal), Raduan Nassar (Brasil), Manuel Alegre (Portugal) e, agora, Germano Almeida (Cabo Verde).

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade