Home » Actualidades » ASAE capacita inspetores cabo-verdianos no setor do jogo

ASAE capacita inspetores cabo-verdianos no setor do jogo

A IGAE tem um quadro de 11 inspetores para todo o território nacional e a escassez de pessoal é um dos principais desafios da organização.

O jogo e as bebidas alcoólicas serão os setores em foco no plano anual de cooperação entre a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) de Portugal e a sua congénere cabo-verdiana (IGAE), assinado hoje na cidade da Praia.

O plano dá continuidade à cooperação entre as duas entidades, que remonta a 2009, mas introduz como novidade a capacitação de inspetores na área do jogo, que está em expansão em Cabo Verde com um casino já a funcionar e outro em fase de construção.

“Com a concessão de jogo, a problemática do jogo ilícito é uma área a reforçar em termos de intervenção e troca de experiências entre a ASAE e a IGAE. Também em matéria do controle de bebidas alcoólicas, contribuímos com apoio laboratorial”, disse o inspetor-geral da ASAE, Pedro Portugal Gaspar.

A par destes dois setores, as duas entidades vão dar continuidade a cooperação na área da capacitação de técnicos com a realização de atividades em Portugal e Cabo Verde.

Por seu lado, o inspetor-geral da Inspeção Geral das Atividades Económicas (IGAE), Elisângelo Monteiro, sublinhou a importância de antecipar a formação de inspetores na área do jogo.

“Já temos um casino a funcionar na ilha do Sal e a cidade da Praia também terá o seu e estamos a antecipar os acontecimentos para que possamos sair da situação de reação em que quase sempre estamos e adotarmos uma perspetiva mais preventiva”, disse.

A IGAE tem um quadro de 11 inspetores para todo o território nacional e a escassez de pessoal é um dos principais desafios da organização.

Elisângelo Monteiro adiantou que a tutela está a par da situação e demonstrou “muita sensibilidade” para com o papel da IGAE, adiantando que “há boas perspetivas de reforço”.

Adiantou ainda que a IGAE está também a criar alianças com os municípios, “usando as potencialidades locais para trabalhar em rede”.

Lusa

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade