Home » Actualidades » “Love over all” foi o que vi e vivi em Cabo Verde” – Ky-mani Marley

“Love over all” foi o que vi e vivi em Cabo Verde” – Ky-mani Marley

Durante seis dias, o filho do Bob Marley conheceu de perto a essência da cultura de Cabo Verde e agora compromete-se a divulga-la ao mundo através do reggae, a música universal.

Chega hoje ao fim a estada de Ky-mani Marley, filho do lendário Bob Marley, na ilha de Santiago onde passou cerca de seis dias, e onde teve a oportunidade de “sentir” e “conviver” de perto com a cultura da ilha, a sua música e as suas gentes, para gravar dois videoclipes que vão servir para divulgar Cabo Verde no mundo.

Ky-mani Marley transformou-se assim no primeiro embaixador do projecto “Kabu Verdi na Mundo”, uma iniciativa do MCIC que tem como objectivo divulgar e promover a marca e a bandeira de Cabo Verde além fronteiros através de pessoas de referência a nível internacional.

“O objectivo é dar a conhecer Cabo Verde a pessoas que o podem levar mais longe. Durante vários temos visto o Estado de Cabo Verde, a direcção geral do turismo e as câmaras municipais a investir muito dinheiro, muito mais do que aquilo que investimos nesse projecto, para ter um stand numa feira internacional para promover o país. Mas a prática internacional mostra-nos que um país vende cada vez mais, quanto maior for a credibilidade e a legião de fãs que tiver aquela pessoa que o tiver a vender. Então a ideia é trazer pessoas de referencia internacional para conhecerem e terem uma experiência de Cabo Verde”, explicou o ministro da cultura e industrias criativas Abraão Vicente esta manhã numa conferência de imprensa conjunta, na Cidade Velha, com Ky-mani Marley.

Quanto à escolha de um representante do reggae para dar início ao projecto Kabu Verdi na Mundo, Abraão Vicente explicou que o reggae faz parte da identidade crioula. “O reggae está em Cabo Verde tão presente quanto os outros géneros musicais. O reggae tem muito de nós cabo-verdianos. Lembro que desde pequeno o reggae está presente na vida de todos os cabo-verdianos e o Bob Marley e o seu rosto fazem parte de uma certa filosofia de ser do cabo-verdiano”.

Promover Cabo Verde através do Reggae

Esta é a segunda vez que este filho de Bob Marley está em Cabo Verde e como contou ao jornalistas, já na altura ficou com vontade de regressar.

“Já visitei Cabo Verde no passado, onde senti o calor deste povo e prometi a mim mesmo que um dia iria voltar. Quando recebi o convite não hesitei e aceitei-o logo à primeira. Sinto-me orgulhoso e comprometo-me a ajudar a promover Cabo Verde lá fora e o povo cabo-verdiano, através do reggae”.

Ky-mani esteve em Santiago para gravar dois videoclipes em três pontos estratégicos da ilha. Tarrafal de Santiago, Santa Cruz e Cidade Velha, Património Mundial da Humanidade e berço da mestiçagem crioula. Com uma agenda preenchida, o filho do rei do reggae fez-se acompanhar pela embaixadora do reggae crioulo, Nish Wadada, que ao longo de seis dias lhe foi mostrando e contando um pouco da história e cultura de Cabo Verde e dos lugares que visitou.

“Foi uma honra para mim servir de anfitriã e poder dar a conhecer Cabo Verde a um filho de Bob Marley. É algo que não dá para descrever em palavras”, disse ao A NAÇÃO Nish Wadada.

Ky-many Marley mostrou-se feliz e honrado pelo convite e oportunidade e confessou que a experiência foi tão enriquecedora que já adoptou Cabo Verde como a sua “segunda casa”.

“Foi uma experiência muito boa e bonita. Pude sentir muito o amor e o calor do povo cabo-verdiano. Por todo o lado que passei e sítio que visitei fui muito bem acolhido. Tive a oportunidade de conhecer de perto a morabeza e hospitalidade cabo-verdiana. Os cabo-verdianos têm muitas semelhanças com os jamaicanos são pessoas vibrantes, muito positivas e conscientes da sua cultura”, afirmou.

Ky-mani Marley mostrou-se ainda feliz por ter encontrado em Cabo Verde o legado do seu pai, o “one love”, “amor universal”, que Bob Marley cantava. Inclusive um dos videoclips que gravou chama-se “Love Over All”, “Amor acima de tudo”, que diz que foi, precisamente, o que “encontrei em Cabo Verde”.

Para o futuro ficou a promessa de voltar ao país e a intenção de trabalhar em conjunto com Nish Wadada e conhecer ainda mais sobre os músicos e a música de Cabo Verde, para além da tabanka, do funaná e do batuco que teve a oportunidade de conhecer e dançar, ao longo dos seis dias na ilha.

Já o ministro Abraão Vicente garante que o projecto é para continuar e destacou que o mesmo só foi possível graças à “congregação de vários esforços”, como agências de viagens (Novatour e PraiaTour) e o hotel Pescador, que permitiram que o estado Estado fizesse um “investimento mínimo” de 400 mil escudos no projecto, cujo montante “é muito superior”. As câmaras municipais contribuíram também com cerca de 200 mil escudos cada.

GC

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade