Home » Actualidades » PGR constituiu equipa especial para reduzir pendência dos crimes contra património na Comarca da Praia

PGR constituiu equipa especial para reduzir pendência dos crimes contra património na Comarca da Praia

Da equipa fazem parte, também, nove oficiais de diligências especificamente recrutados para o efeito

A Procuradoria-geral da República (PGR) constituiu uma equipa especial para redução de pendência dos crimes contra o património na Comarca da Praia e reforçou a Procuradoria da República de São Vicente.

No anúncio feito através de um comunicado divulgado na sua página oficial na internet, a PGR esclareceu que esta medida é a materialização de um objectivo definido há vários meses, mas que só agora é possível com o reforço do quadro do Ministério Público com oito magistrados que se encontravam em regime de estágio.

O Ministério Público explicou que a medida foi tomada na sequência do seu relatório de actividades, referente ao ano judicial 2016/2017, no qual consta que, durante este período, dos 66.192 processos pendentes na Procuradoria da República da Comarca da Praia, o que representa 66% do total nacional, 36.161 são de crimes contra o património, representando 54,6% dos processos pendentes nessa comarca.

“A Procuradoria-geral da República torna público que constituiu uma equipa especial com o objectivo de reduzir a pendência dos crimes contra o património na Comarca da Praia, com especial incidência nos autos de instrução cujos denunciados são desconhecidos, os referentes ao furto de energia e os que, por quaisquer dos fundamentos previstos no artigo 315.º do Código de Processo Penal, devam ser encerrados”, lê-se no comunicado.

A equipa especial, que vai funcionar por um período de 45 dias, sendo que poderá ser prorrogado, excepcionalmente, é integrada por nove magistrados do Ministério Público e pelos oficiais de Justiça afectos à secção de crimes contra o património da Procuradoria da República da Comarca da Praia.

Da equipa fazem parte, também, nove oficiais de diligências especificamente recrutados para o efeito, que vão ter, ainda, a coadjuvação de elementos da Policia Judiciária a serem designados pela direcção nacional, e por um condutor especificamente disponibilizado pela Procuradoria-geral da República.

O trabalho dos magistrados e dos oficiais de justiça serão coordenados por um dos magistrados e um dos oficiais de justiça que integram a equipa, respectivamente, escolhidos pelos seus pares.

O mesmo comunicado esclareceu que foram fixados valores mínimos de referência processual a serem atingidos por magistrado e pelo colectivo, motivo para que se espera encerrar, em 45 dias, pelo menos 2.700 processos que serão contabilizados para produtividade individual dos magistrados no presente ano judicial (2017/2018).

O Ministério Público precisou que, findo o período fixado, será elaborado um relatório e remetido à PGR, no qual deverá constar o total dos processos encerrados pela equipa e individualmente por cada magistrado, com indicação do total de processos de crimes contra o património pendentes, separando os que se encontram na Procuradoria da República da Comarca da Praia dos que foram delegados em cada um dos órgãos de polícia criminal.

No mesmo comunicado, a PGR sublinhou que, “considerando que durante o ano judicial 2016/2017, a Procuradoria da República da Comarca de São Vicente registou 15% dos processos entrados a nível nacional e 10% dos transitados para o presente ano judicial, foi reforçada com dois magistrados do Ministério Público, pelo mesmo período, visando o mesmo objectivo preconizado com a criação da referida equipa especial, com as devidas adaptações”.

Inforpress

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade