Home » Actualidades » São Domingos: PAICV “preocupado” com caso de Manel de Candinho

São Domingos: PAICV “preocupado” com caso de Manel de Candinho

José Carlos Moniz aproveita ainda para pedir que o Presidente da Câmara esclareça “o imbróglio” à volta do autocarro...

A bancada Municipal do PAICV em São Domingos manifestou esta quarta-feira, 31, a sua preocupação com a desprofisionalização do Vereador para Cultura, Turismo e Património, Manel de Cadinho.

Falando em conferencia de imprensa, o líder da bancada, José Carlos Moniz, começa por dizer que “a desprofissionalização de Manuel dos Santos Pereira (Manel de Candinho), a seu pedido, como Vereador do Património e Turismo vem aumentar os níveis de preocupação da bancada do Partido Africano da Independência (PAICV) no tocante à forma de exercício do poder autárquico no país”.

Moniz salienta ainda que “o PAICV, em São Domingos, defendera a proposta da profissionalização das áreas de Juventude, Inovação Social e Empreendedorismo, Agricultura, Pescas e Pecuária como sectores-chave para alavancar a economia local e terá considerado que a profissionalização da maioria (5) dos vereadores acarretava custos enormes para o Município, aumentando ainda mais o nível de endividamento do mesmo e o aumento das despesas correntes, com impacto negativo em projetos de desenvolvimento do Município”.

No entanto, prossegue afirmando que “a equipa do MpD na Câmara de São Domingos menosprezou a proposta da Bancada do PAICV e profissionalizou Vereador para as áreas de Turismo, Cultura e Património, afiançando que o Município iria ganhar muito mais com estes sectores”. Por isso, José Carlos Moniz entende que com esta desprofissionalização seria importante que o Presidente, Clemente Garcia, esclarecesse e justificasse o que motivou a sua mudança de atitude”.

Este responsável partidário vai ainda mais longe ao afirma que esta desprofissionalização constitui motivo de preocupação redobrada, da parte do PAICV, pelos motivos que o Vereador em causa alega estarem na origem do seu pedido de afastamento, quais sejam a “falta de diálogo”, “desvio de objetivos para a cultura” e “centralismo”.

José Carlos Moniz aproveita ainda para pedir que o Presidente da Câmara esclareça “o imbróglio” à volta do autocarro que Clemente Garcia, supostamente, terá dito que foi doação da CV Móvel. “O vereador, desprofissionalizado, afirma que a viatura foi comprada”, acrescenta.

A Bancada do PAICV questiona também o facto de, neste momento, um único vereador, Américo Lima, passar a acumular as pastas de Cultura, Turismo e Património com as de Finanças, Oficinas, Desporto, Administração e Saneamento. Entende que esta “sobrecarga” pode afetar o desempenho dos referidos pelouros.

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade