Home » Actualidades » Dia da Nacionalidade: PR destaca percurso positivo de Cabo Verde

Dia da Nacionalidade: PR destaca percurso positivo de Cabo Verde

Mas admite que o país está longe de atingir as metas almejadas

O Presidente da República destacou hoje o percurso positivo que Cabo Verde tem feito ao longo das suas quatro décadas da independência, mas admitiu que o país ainda está longe de atingir as metas almejadas.

Jorge Carlos Fonseca, que reconheceu esta realidade ao presidir, na Praia, ao encerramento do acto de homenagem aos 25 combatentes da liberdade da pátria, promovido pela Associação dos Combatentes da Liberdade da Pátria (ACOLP), frisou que o país avançou “bastante”, destacando, contudo, a “fragilidade” da economia nacional, da precariedade que vivem muitos cabo-verdianos e das “grandes desigualdades sociais e regionais que ainda persistem.

“Fez-se um percurso positivo até ao presente. Etapas muito importantes foram ultrapassadas, mas ainda estamos longe de atingir as metas almejadas”, sublinhou.

No dia em que assinala os 45 anos do assassinato de Amílcar Cabral, o Presidente da República considerou que o desenvolvimento que permita que cada cidadão tenha o necessário para viver e o aprimoramento das instituições do Estado são objectivos “primordiais” que têm sido “perseguidos com muita determinação”.

Para o Presidente da República, celebrar os heróis nacionais é um acto de “gratidão e de reconhecimento”, mas também de reforço dos valores fundamentais para que os desígnios nacionais possam ser vivificados, assumidos e realizados, realçando que nesses 45 anos “muita coisa aconteceu”, nomeadamente o projecto de unidade com a Guiné-Bissau, um dos sonhos de Amílcar Cabral que, porém, se desvaneceu.

“Mas, a partir do sacrifício de muitos combatentes, tendo alguns, como Cabral, oferecido a própria vida, e da inesgotável energia do povo, foi-se erguendo um Estado em cuja viabilidade muitos não acreditavam”, salientou, observando que se edificou um país que se foi impondo na arena internacional.

Entretanto, Jorge Carlos Fonseca ressaltou que a luta pela sobrevivência e pela afirmação tem sido “árdua”, da mesma forma que foi “muito exigente” para os combatentes nas frentes armadas e políticas que, depois, aliando-se ao povo, construíram em condições particularmente difíceis, um “Estado soberano”.

A escolha do dia 20 de Janeiro como marco temporal para distinguir os que se entregaram à causa libertadora, “surge com naturalidade”, segundo o Presidente da República, já que assinala o desaparecimento, em circunstâncias “trágicas”, daquele que “encarnou na plenitude” a luta pela independência nacional.

No acto de homenagem aos combatentes da liberdade da pátria, entre os quais se encontravam Pedro Pires e Osvaldo Osório, marcaram presença o presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos, o vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, deputados nacionais, membros da associação da ACOLP e o seu presidente , Carlos Reis, e familiares dos homenageados.

Inforpress

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade