Home » Actualidades » São Domingos: Câmara Municipal homenageia Ano Nobu

São Domingos: Câmara Municipal homenageia Ano Nobu

As actividades decorrem no salão nobre dos paços de Concelho, e iniciam com a inauguração de uma exposição musical em vinil.

A Câmara Municipal de São Domingos (ilha de Santiago), em parceria com Gil Moreira & Kompanhia Kultural Tradison n’Alma, promovem a partir desta sexta-feira, 12, até domingo, 14 de Janeiro, um conjunto de eventos em homenagem ao músico, compositor, professor e dramaturgo – Ano Nobu, figuram incontornável daquele concelho e de Cabo Verde.

As actividades decorrem no salão nobre dos paços de Concelho, e iniciam com a inauguração de uma exposição musical em vinil. No sábado, 13, terá lugar uma festa de música tradicional, com início às 14H00. No domingo são realizadas as cerimónias oficiais de homenagem, seguidas de palestras e concertos.

“Evocar a figura de Ano Nobu é reconhecer o seu contributo para a cultura e é enaltecer a figura de um homem do povo, dedicado, firme nas suas inspirações musicais, dedicado à cidade que escolheu para viver e criar seus filhos”, enaltece uma nota da Câmara Municipal de São Domingos.

Fulgêncio Lopes Tavares nasceu no dia 01 de Janeiro de 1933 e por isso ficou conhecido como Ano Nobu. Natural de São Domingos e descendente de uma família de músicos, aprendera os primeiros acordes de violão com a mãe e seguiu a tradição musical da família aprendendo com os mestres António Preto, Ismael e Domingos de Nha Cumazinha.

Foi autor (composição e letra) de mais de 500 mornas – a primeira das quais “July”, composta nos anos 50 – coladeiras e também funanás, batuques e valsas.

Ano Nobu tocava vários instrumentos como o violão, bandolim, cavaquinho, gaita de boca, violino, piano e cimboa. Compôs ainda música litúrgica.

Como dramaturgo, Ano Nobu foi agraciado com o Prémio de Melhor Peça teatral de Cabo Verde, em 1999, com “Julgamento do Toto”, mais conhecido por “Toto ku Tota”. Ano Nobu deixou outras peças inéditas, nomeadamente: “Fiticêra de Língua”, “Mufino Ku Maroto” e “S. Vinte Três”.

Faleceu em 2014, 13 dias depois de completar 71 anos. O  Seu legado ainda hoje é lembrado por todos, pois os seus dotes artísticos tornaram-no por excelência uma figura incontornável da cultura Cabo-verdiana.

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade