Home » Actualidades » Angola:  PR dá ultimato para repatriamento de fundos guardados no estrangeiro

Angola:  PR dá ultimato para repatriamento de fundos guardados no estrangeiro

João Lourenço encoraja as entidades a cumprirem rigorosamente as suas obrigações e punir os que colocam os seus interesses acima dos da Nação. 

 

O novo Presidente (PR) angolano, João Lourenço, intimou, quarta-feira, 13, os cidadãos nacionais a  repatriarem, pacificamente, os seus fundos depositados em bancos estrangeiros, sob pena da sua recuperação compulsiva pelo Estado e consequente procedimento judicial contra os faltosos.

João Lourenço falava no encerramento de um seminário sobre combate à corrupção, organizado na capital angolana, Luanda, pelo Grupo Parlamentar do Partido no poder, MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola), do qual ele é vice-presidente.

Segundo ele, quem respeitar tempestivamente a recomendação de repatriar, voluntariamente, os seus depósitos actualmente domiciliados no estrangeiro “não será interrogado das razões de ter tido o dinheiro lá fora, nem processado judicialmente”.

Mas findo o prazo a ser concedido, advertiu, o Estado passará a considerar tais fundos como dinheiro de Angola e dos angolanos e, como tal, “agir junto das autoridades dos países de domicílio para tê-lo de volta em sua posse”.

Para João Lourenço, os cidadãos endinheirados devem ser os primeiros a investir no país, se quiserem demonstrar que são “verdadeiros patriotas”.

No seu discurso, encorajou as entidades competentes na luta contra a corrupção e o branqueamento de capitais a cumprir rigorosamente as suas obrigações e punir devidamente aqueles que colocam os seus interesses pessoais e familiares acima dos da Nação.

Reconheceu que não será fácil combater a corrupção, em virtude dos vários interesses envolvidos, mas declarou a sua determinação de vencer essa batalha com o apoio de todos.

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade