Home » Actualidades » Primeiro-ministro deveria falar a verdade ao país no concernente aos negócios com a Binter-CV e Icelandair – Líder da oposição

Primeiro-ministro deveria falar a verdade ao país no concernente aos negócios com a Binter-CV e Icelandair – Líder da oposição

Em declarações à Inforpress, Janira Hopffer Almada revelou que “há três semanas, enquanto líder da oposição”, solicitou um encontro com o chefe do Governo, mas que este não responde.

A presidente do maior partido da oposição disse hoje que o primeiro-ministro “deveria falar a verdade ao país” no concernente aos negócios feitos com a Binter-CV e Icelandair, ambas transportadoras aéreas.

A líder do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição) reagia assim às declarações de Ulisses Correia e Silva, este domingo, a partir de Lisboa, segundo a qual a oposição “pode conhecer” as informações relativas aos contratos assinados com a transportadora aérea nacional (Binter-CV) e com a Loftleider Icelandic, do grupo Icelandair, no quadro da reestruturação da TACV e da criação do negócio “hub” aéreo em Cabo Verde.

O chefe do Governo, que falava à Televisão de Cabo Verde (TCV) a partir da capital portuguesa, onde se encontra em missão oficial, garantiu que a oposição pode conhecer os referidos contratos e consultá-los em “sede própria”.

“Então, que o senhor primeiro-ministro esclareça onde que é a sede própria”, pediu a líder da oposição, defendendo que o Parlamento é o local adequado para estas coisas, uma vez que foram os deputados do PAICV que solicitaram informações relacionadas com os citados negócios.

Em declarações à Inforpress, Janira Hopffer Almada revelou que “há três semanas, enquanto líder da oposição”, solicitou um encontro com o chefe do Governo para, entre outras questões, tratar assuntos atinentes aos contratos com a Binter-CV e Icelandair, respectivamente, mas que Correia e Silva não responde.

“O grupo parlamentar (do PAICV) já solicitou por diversas vezes, e temos provas documentais desta solicitação, todas as informações sobre os negócios que envolvem a transportadora aérea nacional, seja com a Binter, seja com a Icelandair”, precisou Janira Hopffer Almada.

Para a líder da oposição, o “mais grave” é o facto de o ministro das Finanças, Olavo Correia, ter justificado que não poderia facultar aos deputados do partido da estrela negra cópia do contrato com a Icelandair, alegando que há uma “cláusula de confidencialidade”, pelo que teria que ter uma “autorização prévia da própria Icelandair, antes de disponibilizar o contrato assinado pelo Estado de Cabo Verde aos deputados da nação”.

Segundo Janira Hopffer Almada, “não corresponde à verdade” que a bancada parlamentar de que é líder tenha, neste momento, todos os dados do negócio com a Binter-CV e a Icelandair.

Lembra que face às dificuldades de o PAICV obter dados relativos ao negócio no domínio dos transportes aéreos, através do seu grupo parlamentar, propôs a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, mas que “foi inviabilizada pela maioria parlamentar do Movimento para a Democracia (MpD-poder)”, porque, prossegue, o “Governo tem medo de disponibilizar os dados para que ninguém saiba o que está envolvido nesse negócio”.

“Já pedimos uma interpelação no Parlamento e esperemos que desta vez o primeiro-ministro tenha a coragem de disponibilizar todos os contratos que o Estado de Cabo Verde assinou relativamente aos TACV e, também, tenha a coragem de facultar a nós (grupo parlamentar do PAICV) e aos cabo-verdianos em geral todas as informações sobre este negócio”, apelou a presidente do PAICV, acrescentando que se está perante um bem que é público e um “recurso estratégicos de todos os cabo-verdianos” e, como tal, merecem ter informações para as analisar e saber como estão a ser geridos os bens do país.

Instada a precisar para quando o seu grupo parlamentar solicitou o agendamento da interpelação ao Governo sobre os negócios com a Binter-CV e Icelandair, explicou que é para a sessão plenária, cujos trabalhos se iniciam no dia 27 deste mês e prolongam-se até 01 de Dezembro.

“Apelamos a todos os cabo-verdianos que sigam esta interpelação para verem efectivamente o que está a passar nesta governação do MpD”, concluiu Janira H. Almada.

De acordo com a líder da bancada, os deputados do PAICV pretendem saber, entre outros assuntos, as razões que estão a motivar a deslocalização das operações da TACV para a ilha do Sal e se isto não terá impacto nos bolsos dos cabo-verdianos, nomeadamente para os passageiros que viagem a partir das outras ilhas.

A oposição quer saber, ainda, se os aeroportos internacionais estão envolvidos nesses negócios.

Inforpress

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Classificados