Home » Actualidades » Espanha: Madrid avança com o fim da autonomia da Catalunha

Espanha: Madrid avança com o fim da autonomia da Catalunha

Rajoy considera que Puigdemont continua a recusar-se a ser claro, se declarou ou não a independência a 10 de Outubro.

 

Mariano Rajoy já respondeu à carta de Carles Puigdemont, tendo convocado, para este sábado, 21, uma reunião extraordinária para “continuar os trâmites previstos no artigo 155 da Constituição para restaurar a legalidade no autogoverno da Catalunha”. Significa isto pôr um fim à autonomia daquela região.

A relação entre a região autónoma da Catalunha e Madrid está cada vez pior. Charles Puigdemont enviou uma carta ao governo central a defender o estabelecimento de diálogo, caso contrário, a independência da Catalunha seria mesmo declarada.

Se Madrid “insistir em impedir o diálogo e continuar a repressão, o Parlamento da Catalunha poderá proceder, se considerar oportuno, votar a declaração formal de independência que não se votou no dia 10 de Outubro”, pode ler-se.

Ora, Mariano Rajoy respondeu quase no imediato, de forma implacável, deixando clara aquela que é a posição do governo espanhol.

Na missiva enviada ao presidente da região catalã, o primeiro-ministro escreve que Puigdemont continua a recusar-se a ser claro quanto à declaração ou não de independência do último dia 10. Por isso, e “como consequência, o governo de Espanha continuará a levar a cabo os trâmites previstos no artigo 155 da Constituição para restaurar a legalidade no autogoverno da Catalunha”.

Mariano Rajoy faz saber que o Conselho de Ministros reunir-se-á, de “forma extraordinária”, no próximo sábado, para “aprovar as medidas que levará ao Senado a fim de proteger o interesse dos espanhóis em geral, entre eles os cidadãos da Catalunha, e restaurar a ordem constitucional na Comunidade Autónoma”.

“O Governo usará todos os meios ao seu alcance para restaurar, o quanto antes, a legalidade e a ordem constitucional, recuperar a convivência pacífica entre cidadãos e parar o deterioramento económico que a insegurança jurídica está a provocar na Catalunha”, termina a carta.

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Classificados