Home » Actualidades » Manuel de Pina: “Nem todas as dificuldades dos municípios são de natureza financeira”

Manuel de Pina: “Nem todas as dificuldades dos municípios são de natureza financeira”

Manuel de Pina quer ver os municípios de Cabo Verde a beneficiarem de ações de empoderamento e capacitação, para que possam ter maior autonomia.

O segundo dia do Fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local revelou-se produtivo para a Associação dos Municípios de Cabo Verde (ANMCV), com quase todos os presidentes de Câmara do país a marcarem presença no encontro.

Manuel de Pina, da ANMCV mostra-se expectante e confiante com os frutos que poderão advir da assinatura de um protocolo de cooperação entre a o Fundo Felcos Umbria, que é um Fundo de Entidades Locais para a Cooperação Descentralizada e o Desenvolvimento Humano Sustentável e a Associação Nacional dos Municípios Italianos- Delegação Umbria (ANCI UMBRIA).

O protocolo, assinado ao fim da tarde de ontem, no Estádio Nacional, visa estabelecer uma relação de cooperação entre os municípios de ambas as regiões, num quadro de desenvolvimento sustentável, rumo aos ODS, no horizonte 2030.

“Com esta parceria vamos poder incrementar ações de cooperação bilateral entre os municípios. Iremos aumentar a cooperacção entre Brasil, Espanha e Itália numa lógica de promover o desenvolvimento local”, frisou Manuel de Pina.

Turismo e agricultura

Projetos de turismo sustentável; agroturismo; turismo rural; desenvolvimento social e económico local, são alguns dos sectores que virão a ser contemplados no âmbito dos projetos de cooperação a serem desenvolvidos.

Além de procurar financiamento, que, como se sabe, é um dos maiores entraves ao desenvolvimento local, Manuel de Pina quer ver os municípios de Cabo Verde a beneficiarem de ações de empoderamento e capacitação, para que possam ter maior autonomia.

“Às vezes nem todas as dificuldades dos municípios são de natureza financeira, mas é de conhecimento, know how. Esse é o grande caminho que temos de percorrer, procurando as melhores soluções para os problemas que temos aqui em Cabo Verde, mas também no exterior”, defende.

Nesse contexto espera que o país venha a tirar o máximo partido deste protocolo. “A confederação dos municípios brasileiros tem uma experiência enorme em matéria de luta contra a pobreza, o Fundo Andaluz tem trabalhado com todos os municípios da América Latina. Portanto, são potencialidades que temos em mão agora para podermos aproveitar”.

O presidente da ANMCV apela ainda ao engajamento de todas as autarquias locais para que o desenvolvimento local sustentável seja uma realidade em todos os municípios do país, mas sem descurar as especificidades de cada região.

“Estamos a definir o nosso caminho, a identificar os nossos problemas e dificuldades e a traçar uma estratégia para ultrapassar essas dificuldades, de região a região”, finalizou.

O Fórum entra hoje no terceiro dia com mais sessões plenárias, diálogos e painéis interactivos, além da forte componente cultural, com mostra de produtos locais e artesanato de Cabo Verde.

A capital  é desde terça-feira passada o palco central do debate mundial em torno do Desenvolvimento Económico Local Sustentável.

O encontro conta com mais de dois mil participantes, de 85 países, na sua maioria cabo-verdianos, num total de mais de 190 oradores e 50 sessões de debate e partilha de ideias.

GC

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Classificados