Home » Actualidades » Cabo Verde regista maior número de casos de paludismo em quase 30 anos

Cabo Verde regista maior número de casos de paludismo em quase 30 anos

Os números são os mais altos desde 1991, segundo a evolução de que há registo e disponibilizada no site do Ministério da Saúde

O Governo anunciou na segunda-feira um reforço de medidas para combater o paludismo, numa altura em que o país regista 167 casos, o maior número em quase 30 anos, sendo a maioria na cidade da Praia.

Segundo dados disponibilizados à imprensa pelo diretor do Programa Nacional de Luta contra o Paludismo (PNLP) de Cabo Verde, António Moreira, até hoje o país registou um total de 167 casos, entre autóctones e importados.

Os números são os mais altos desde 1991, segundo a evolução de que há registo e disponibilizada no site do Ministério da Saúde, em que o maior número até agora (autóctones e importados) tinha sido 140, registados em 2000, seguido de 125 casos em 1995.

Tal como em anos anteriores, a maioria dos casos surgiu na cidade da Praia, com um total de 153 locais e três importados, o maior número registado na capital cabo-verdiana, cujo máximo tinha sido 102 (95 locais e 7 importados) em todo o ano de 2001.

Segue-se a ilha de São Vicente, com seis casos, todos importados, e com registo de uma morte, de um cidadão de nacionalidade estrangeira que chegou doente à ilha.

António Moreira, que falava à imprensa após um reunião convocada e presidida pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, avançou que há registo de mais três casos na ilha do Sal e dois em Santo Antão, todos também importados.

O ministro da Saúde e da Segurança Social, Arlindo do Rosário, avançou que o Governo, em parceria com todas as instituições com responsabilidade na matéria, vão intensificar as campanhas para tentar eliminar os viveiros e focos de mosquitos, que já estão identificados.

Salientando que as atividades terão maior incidência na Praia, o ministro indicou que serão realizadas ações no terreno, para eliminar águas estagnadas e todas as situações propiciadoras para o desenvolvimento dos mosquitos.

O governante pediu, por isso, envolvimento das várias estruturas do país e da sociedade civil para combater a doença, que tem 24 pessoas internadas no Hospital Agostinho Neto, na Praia.

O ministro recusou a ideia de qua as autoridades de saúde do país terão «baixado a guarda» para o surgimento de dezenas de casos nas últimas semanas, lembrando que o paludismo é urbano e que acompanha o desenvolvimento rápido da cidade da Praia.

Arlindo do Rosário salientou que Cabo Verde tem um «serviço de vigilância que funciona», que «diagnostica atempadamente as situações» e há um seguimento e acompanhamento dos casos, com internamento preventivo durante algum tempo para evitar aumento do parasita no sangue.

O também médico referiu que, apesar do aumento exponencial de casos desde meados de julho, a incidência da malária em Cabo Verde é de 0,25 por mil habitantes, e que um país é considerado de estar em fase de pré-eliminação pelo menos quando existe um caso por 1000 habitantes.

«Cabo Verde continua a ser um país em fase de pré-eliminação, mas em todos os países onde existe o vetor, em determinado momento pode haver surtos epidémicos, o que tem de ser diagnosticado e combatido», afirmou.

Em janeiro, Cabo Verde foi distinguido pela Aliança de Líderes Africanos contra a Malária (ALMA) com o prémio Excelência 2017, pelos resultados alcançados no combate à doença.

A Organização Mundial da Saúde estima que o país tenha reduzido a sua taxa de incidência e de mortalidade associada à malária em mais de 40% no período decorrente e prevê também que tenha capacidade de eliminar a transmissão regional até 2020.

A malária, também conhecida por paludismo, é uma doença provocada por um parasita do género Plasmodium, que é transmitido aos seres humanos através da picada de uma fêmea do mosquito Anopheles.

Ainda sem vacina, é uma doença «instável», de transmissão sazonal, cujo maior período vai de julho a dezembro, toda a população é vulnerável, mas tem baixo risco de epidemia.

O ministro da Saúde confirmou que o Instituto Nacional de Saúde Pública (INSP) cabo-verdiano, com apoio da OMS e do BAD, está a realizar um estudo sobre a capacidade de resistência dos mosquitos aos produtos utilizados, bem como ao mapeamento dos viveiros.

Lusa

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Notícias Relacionadas

Classificados