Home » Actualidades » Cabo Verde quer inscrever cultura e mobilidade como marcas da sua presidência na CPLP

Cabo Verde quer inscrever cultura e mobilidade como marcas da sua presidência na CPLP

A questão da mobilidade é extremamente importante. O mundo caminha para mais mobilidade e mais intercâmbio entre os povos”, afirmou o diplomata.

Cabo Verde quer que a sua presidência da CPLP seja marcada pela agenda cultural e por “avanços concretos” nas questões da mobilidade.

Cabo Verde quer que a sua presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) seja marcada pela agenda cultural e por “avanços concretos” nas questões da mobilidade, disse esta sexta-feira, em Lisboa, o chefe da diplomacia cabo-verdiana.

“Queremos que a nossa presidência [para o período 2018-2020] tenha uma componente cultural muito forte. A cultura será o tema central da presidência de Cabo Verde, mas também as questões da mobilidade, da cidadania e a promoção da língua portuguesa“, disse Luís Filipe Tavares, no final de um encontro com a secretária executiva da Comunidade, Maria do Carmo Silveira, na sede da CPLP em Lisboa.

Luís Filipe Tavares manifestou o desejo de Cabo Verde “conseguir avanços concretos” na questão da mobilidade, no quadro da proposta luso-cabo-verdiana, concretizando que “tem que haver, mais cedo ou mais tarde, a livre circulação de pessoas e bens no seio da comunidade”.

A questão da mobilidade é extremamente importante. O mundo caminha para mais mobilidade e mais intercâmbio entre os povos”, afirmou o diplomata.

“Acreditamos que a CPLP pode ser um exemplo para o mundo, se conseguirmos avançar nesta matéria da mobilidade de pessoas e bens”, concluiu.

Maria do Carmo Silveira confirmou, pelo seu lado, à comunicação social que a CPLP se prepara para enviar uma missão de observadores às eleições angolanas, que decorrem em 23 deste mês.

“Há uma solicitação do senhor Presidente da República de Angola dirigida à presidência brasileira da CPLP e a CPLP irá enviar uma missão de observação eleitoral”, confirmou a secretária executiva da Comunidade, acrescentando que a mesma se encontra em fase de “preparativos”.

“O que foi decidido pelos Estados-membros da CPLP é que a missão será composta pelos diplomatas dos Estados membros da CPLP em Luanda. Neste momento já temos a indicação dos diplomatas da CPLP em Luanda e [a missão] será chefiada pelo senhor ex-Presidente da República de São Tomé e Príncipe, Miguel Trovoada”, especificou a ex-primeira-ministra política são-tomense.

Fonte: Observador

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Notícias Relacionadas

Classificados