Home » Actualidades » PAICV: Conselho Nacional recomenda diálogo entre “camaradas”

PAICV: Conselho Nacional recomenda diálogo entre “camaradas”

A reunião que, para além da análise da situação interna do partido, teve como enfoque a análise política nacional, reforma do parlamento, problemática da regionalização.

O Conselho Nacional do PAICV, que esteve reunido hoje na Cidade da Praia, recomendou diálogo entre os “camaradas do partido” e pediu-lhes para colocarem no centro o partido e os interesses dos cabo-verdianos, disse o porta-voz, João Baptista Pereira.

“A recomendação do CN é de trabalharmos para criar um ambiente de diálogo, que possa favorecer a pacificação e ultrapassar questões conjunturais e pessoais para podermos centrar na organização do partido, o seu fortalecimento, coesão e unidade do PAICV, para que possamos apresentar uma oposição forte, credível e que esteja efectivamente ao serviço dos cabo-verdianos”, afirmou João Baptista Pereira.

O também membro do CN do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição), fez estas declarações à imprensa no final da segunda reunião deste órgão, a propósito dos últimos acontecimentos, nomeadamente a questão que afecta a maior região política Santiago Sul que levou à queda do órgão.

A reunião que, para além da análise da situação interna do partido, teve como enfoque a análise política nacional, reforma do parlamento, problemática da regionalização.

Segundo João Baptista Pereira, a análise dos conselheiros é que o PAICV “é um grande partido, com histórias e de causas, que têm a ver essencialmente com Cabo Verde e os problemas dos cabo-verdianos”.

“O apelo que fazemos é que todos os camaradas se concentrem nas questões essências do país, fiscalizar a governação do país e exigir que o governo cumpra os compromissos de campanha e que os problemas dos cabo-verdianos sejam resolvidos. Tudo resto vai ser secundarizado e resolvido”, assegurou.

No seu entender, as divergências pessoais e conjunturais entre “camaradas do partido” por mais históricos que sejam, por serem pessoas humanas estão susceptíveis a erro, por isso pede que os mesmos renunciem ao “próprio ego” e se preocupem com os interesses do partido e dos cabo-verdianos.

Questionado se a situação que o partido está a viver de momento não põe em causa a liderança de Janira Hopffer Almada, responde: “Creio que de modo algum, temos uma liderança que foi legitimada duas vezes num curto espaço de tempo”.

Por seu turno, a presidente do PAICV, Janira Hopffer Almada afirmou que o foco do partido, de momento, é a defesa dos interesses do povo e da Nação cabo-verdiana.

A propósito disse que têm que fazer uma “oposição forte”, que implica um partido organizado, com gentes idóneas e credíveis, militantes motivados, uma agenda e bandeiras.

“Estamos a trabalhar, sobretudo, para o fortalecimento do PAICV em bases sólidas, desde a reorganização das estruturas, dos grupos de bases chegando aos órgãos sectoriais, regionais até nacionais.

Em relação à situação de conflito que o partido enfrenta, a líder limita-se a dizer que em situações de conflito, elas devem ser encarradas como algo que sucedem nas organizações e devem ser resolvidas em órgãos próprios, ou seja, nos órgãos jurisdicionais do partido.

Concernente à II Conferência Nacional da Federação das Mulheres do PAICV, Eva Ortet, que concorreu com lista única foi eleita, sucedendo Joanilda Alves.

Inforpress

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Notícias Relacionadas

Classificados