Home » Actualidades » “The Spectator” diz que Cabo Verde merece deixar de ser uma “sombra” das Canárias

“The Spectator” diz que Cabo Verde merece deixar de ser uma “sombra” das Canárias

Reportagem dá a conhecer através do espectro do jornalista e de alguns cidadãos e operadores locais, o que de tão genuíno a ilha do Sal tem para oferecer a quem a visita e o porquê de ser um destino em ascensão.

O site britânico “The Spectator” dedica na sua rubrica “Life” (Vida) uma reportagem a Cabo Verde, mas que tem como ponto de partida a ilha do Sal.

A reportagem assinada pelo jornalista Mark Mason, com o título “Cabo Verde: o segredo escaldante do Atlântico”, dá a conhecer através do espectro do jornalista e de alguns cidadãos e operadores locais, o que de tão genuíno a ilha tem para oferecer a quem a visita e o porquê de ser um destino em ascensão.

Tudo começa numa viagem de observação de tubarões-limão, com um guia local de nome “Obama”, mas a aventura prolonga-se até às Salinas de Pedra de Lume…e muito mais.

A reportagem revela ainda um pouco da história das ilhas, e da condição de ex-colónia portuguesa, a paraíso de Inverno preferido dos Europeus, sem deixar de notar a existência de inúmeros resorts “all inclusive”.

Mas Mark Mason diz ser obrigatório sair do hotel e aventurar-se na prática dos desportos náuticos, com várias modalidades para experimentar, sem esquecer que Cabo Verde tem 3 campeões mundiais de kite-surf.

É por estes e outros atributos que, ao olhar deste repórter britânico, Cabo Verde merece deixar de ser uma “sombra” das Canárias

“Cabo Verde tende a ser ofuscado pelas Canárias, provavelmente porque demora mais tempo a chegar lá. Mas isso só significa que estamos mais perto da linha do equador e, por conseguinte é mais quente”, escreve o jornalista.

Mark Mason finaliza a reportagem dizendo que “não há muita gente ainda que conhece Cabo Verde como um destino de férias” e que, por isso, quem quer conhecer é melhor “apressar-se”, pois, como escreve, “com a construção de um hotel Hilton” e de outro da marca “Radisson Blu”, as ilhas crioulas “não ficaram fora dos holofotes por muito mais tempo”.

GC

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Notícias Relacionadas

Classificados