Home » Actualidades » Sal: Deputada do MpD preocupada com a questão de mortalidade infantil na ilha

Sal: Deputada do MpD preocupada com a questão de mortalidade infantil na ilha

A deputada do Movimento para a Democracia (MpD – oposição) Janine Lélis, eleita pelo círculo do Sal, está na ilha para uma visita de cinco dias para se inteirar das causas da mortalidade infantil

A deputada do Movimento para a Democracia (MpD – oposição) Janine Lélis, eleita pelo círculo do Sal, esta na ilha para uma visita de cinco dias para se inteirar, particularmente, das causas da mortalidade infantil no município.

Sem uma agenda institucional propriamente dita, Janine Lélis está no Sal, mais uma vez, para a auscultação das necessidades, carências e aspirações da população por forma a desempenhar, conforme disse, o seu papel enquanto deputada, representante dos salenses.

“Eu venho aqui com o objectivo de perceber o que se está a passar em relação às questões da mortalidade infantil, um assunto que tem sido notícia, compreender, para depois empreender a acção consequente”, explicou a parlamentar, acrescentando que a par disso, no fundo, vai auscultar as populações, saber nesta presente conjuntura quais as necessidades mais prementes.

“O Sal tinha todas as potencialidades para explorar que deveriam ser agarradas. Entretanto, perdemos a onda. Aliás, o último relatório do Banco de Cabo Verde (BCV) confirma isso, quando nos dá a indicação que há um decréscimo a nível do turismo à volta de 9 por cento. Isso quer dizer que estamos a perder em relação às outras regiões que são nossas concorrentes”, esclareceu Janine Lélis.

Na sua visão, o turismo representa rendimento, empregabilidade e qualidade de vida das pessoas, mas as entidades “não perceberam isso ainda”.

Ciente que há que prestar atenção, naturalmente, ao que as instituições transmitem, Janine Lélis informou, entretanto, que, desta vez, vai primeiramente para o terreno ouvir o sentimento das pessoas, já que, “nem sempre”, o que as instituições falam “ajuda” a ter melhor percepção da situação.

“Venho aqui captar a percepção das pessoas. Fazemos isso porque nós é que temos que levar os ‘inputs’ às instituições para que possam corresponder e funcionar de acordo com as expectativas das pessoas”, assinalou.

Fonte: Inforpress

PartilheTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone

Comentário

Publicidade